Boas ou más notícias? - Verbo da Vida

Portugal

Articles related to the country Portugal and Portuguese people in the world. Um lugar para discutir apenas artigos relacionados com Portugal ou portugueses no mundo.
[link]

Trocar de emprego em tempos de Covid: boa ou má ideia?

Recentemente tenho estado a pensar em trocar de emprego, até porque já vi que o mercado tem estado a retomar.
No entanto, temos alguns economistas que prevêem que os impactos económicos do Covid apenas serão sentidos na sua íntegra a partir do próximo ano.
Posto isto coloco esta questão: Genericamente falando, será esta uma má altura para trocarmos de emprego?
Devemos ficar onde estamos para garantir que temos mais chances de sobreviver á possível recessão que aí se avizinha?
Qual é a vossa opinião?
submitted by st1ka to portugal [link] [comments]

🛑 Bitcoin encontrando resistência forte nos $10 mil, isso é uma boa ou má notícia? Análise Bitcoin - Dicas sobre Bitcoin - mais rápido dinheiro

🛑 Bitcoin encontrando resistência forte nos $10 mil, isso é uma boa ou má notícia? Análise Bitcoin - Dicas sobre Bitcoin - mais rápido dinheiro submitted by infocryptocoins to CertificadoDigital [link] [comments]

Vem Pra Rua convoca manifestação a favor da prisão na 2ª instância. Boa ou má ideia ?

submitted by saiwmon to brasilivre [link] [comments]

Jesus Cristo ensinando como avaliar se uma ideologia é boa ou má

"Cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores. Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas? Semelhantemente, toda árvore boa dá frutos bons, mas a árvore ruim dá frutos ruins. A árvore boa não pode dar frutos ruins, nem a árvore ruim pode dar frutos bons. Toda árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Assim, pelos seus frutos vocês os reconhecerão!
Mateus 7:15-20
submitted by ssantorini to brasilivre [link] [comments]

Augusto Aras na PGR é boa ou má escolha de Bolsonaro?

Augusto Aras na PGR é boa ou má escolha de Bolsonaro? submitted by horripilante1963 to u/horripilante1963 [link] [comments]

Afinal, a encriptação dos dados é uma coisa boa ou má?

Noticias recentes informam que o suspeito do atentado terrorista em Londres terá enviado uma mensagem pelo WhatsApp para um alegado cumplice. Mas é possível saber quem é esse cumplice? Teoricamente não.
A Ministra do Interior do Reino Unido considera esta situação "inaceitável" e propõe a criação de excepções na encriptação de mensagens, de forma a que todos os dados de suspeitos de atentados terroristas possam ser desvendados pelo governo.
Mas a criação de excepções significaria que as mensagens trocadas não seriam completamente encriptadas, ou seja, se conseguem aceder aos dados de algumas pessoas (suspeitos de atentados), significa que conseguem aceder aos dados de todos nós?
Fonte SPECpt
submitted by pmmr9 to portugal [link] [comments]

Está é uma boa ou má notícia? Souza Cruz decide fechar fábrica de cigarros após escalada do IPI

Está é uma boa ou má notícia? Souza Cruz decide fechar fábrica de cigarros após escalada do IPI submitted by gmjrbrazil to brasil [link] [comments]

Critério para saber se uma empresa é boa ou má para trabalhar

Estava a assistir a um debate sobre emprego e houve um gajo que disse que tinha mudado de emprego e que agora estava numa empresa de consultoria que faz parte dos rankings das melhores para trabalhar..e por isso estava todo contente e orgulhoso.
Entretanto virou-se outro gajo mais velho e respondeu-lhe algo do género: "as melhores empresas para trabalhar não são as dos rankings, são aquelas que têm a maior taxa de retenção e em que ninguém quer sair de lá. Se tiveres uma empresa com 1000 trabalhadores em que apenas 5 ou 10 deles saem da empresa por ano (0,5% a 1% do total dos trabalhadores) é porque quando os trabalhadores dessa empresa procuram outro sitio com melhor ambiente, estabilidade, salário, desafios, horários, contrapartidas, etc, e ponderam as variaveis todas, não encontram nada que seja melhor, o que significa que estão actualmente numa empresa de topo"
Fiquei a pensar no assunto pois até faz sentido, se praticamente nenhum trabalhador sai de uma determinada empresa é porque essa empresa certamente oferece condições que mais nenhuma outra oferece.
O que acham deste critério para saber se uma empresa é boa ou má para trabalhar?
Existe em Portugal alguma empresa de tamanho razoavel com uma taxa de retenção anual próxima dos 100%? Assim de repente só me vem a Google à cabeça, mas não tem escritórios em Portugal..
submitted by epeguardoula to portugal [link] [comments]

[Sério] Se acontecesse de um partido ou coligação de extrema-esquerda ganhar nas urnas o executivo e a maioria do legislativo, as forças armadas atuais iriam mesmo respeitar o processo democrático, de boas ou más consequências, sem nenhuma interferência?

Eu estava lendo sobre o João Goulart, que se tornou presidente numa era em que o Brasil já era tido como uma democracia consolidada há quase duas décadas, e devido a suspeitas e receios dentro das forças armadas de que ele tendia como comunista (uma acusação consideravelmente exagerada) o golpe aconteceu e o resto é história. No que me indago: se por hipotéticas circunstâncias um partido de extrema-esquerda viesse a ganhar o poder no nosso tempo - digamos um PCO ou PSTU da vida, levando a presidência e a maioria do congresso - nós temos razão para acreditar que o resultado das urnas seria mesmo respeitado e o governo entitulado para poder tentar aplicar suas promessas pela íntegra do mandato? Ou a democracia em que vivemos é uma que só existe enquanto as urnas pendulam entre as imediações do centro político? (suponhemos que quaisquer que sejam as ações desse governo não haja entre elas a tentativa de banir, da parte deles, outros partidos, a liberdade de expressão e o calendário de eleições)
Por favor, antes de algum gênio começar (mais) uma guerra ideológica entenda, por obséquio, que o post não trata disso. E eu tãopouco tenho a menor vontade de defender qualquer lado dessa disputa de ideias. A pergunta é de natureza muito precisa: num estado verdadeiramente democrático a expressão das urnas é soberana (exitem leis que proibem certos tipos de partidos mas todos os partidos legalizados são reconhecidos como legítimos para disputar plano de governo). Isso quer dizer que qualquer que seja o nível de desgosto de até 49% da população quem governa é quem ganha nas urnas e o único processo legalmente reconhecido para os tirar do poder e determinar mudança nos rumos políticos do país são as mesmas urnas nas eleições seguintes, em dois e quatro anos. Pensem, por exemplo, quando os militares deram o recente golpe de estado no Egito e o Presidente americano disse que condenava a ação porque por mais que a opinião pública e a dele próprio quanto ao governo e partido da Irmandade Muçulmana fossem negativas o único processo legítimo deles da retirada do poder seriam as próximas eleições. Eu, autor desse post, não partilho a visão ideológica de nenhum partido alinhado nos extremos, seja de esquerda como de direita, e sinceramente não gostaria de ver um desses no poder, pessoalmente. Apenas gostaria de ouvir um debate sobre as intrisecalidades da democracia brasileira.
submitted by fillingtheblank to brasil [link] [comments]

Opinião Pública - Marquises: Boas ou Más?

Opinião Pública - Marquises: Boas ou Más? submitted by throwmeaway76 to portugal [link] [comments]

O que é o melhor e o pior do português?

Quais características comuns vocês consideram boas ou más dos portugueses?
Pergunto por ser brasileiro e me irrita muito a mania de boa parte das pessoas, aqui, quererem tirar vantagem em tudo. Se há uma brecha alguém vai querer aplicar um golpe pra tirar vantagem. Ao mesmo tempo, quando essa malandragem é usada moralmente, o brasileiro se torna muito criativo.
E aí por terras lusitanas, que características vocês consideram boa ou ruim?
submitted by AlexCristian69 to portugal [link] [comments]

Oficinas / mecânicos de confiança em. Lisboa

Boas a todos, queria saber se me podiam indicar alguma oficina ou mecânico que seja capaz de arranjar alguns pequenos problemas com o meu carro, não sei se as oficinas Midas e bosch são boas ou más, ou se é preferível levar a um mecânico específico da volkswagen, marca do meu carro. Se tiverem opiniões são mais que bem vindas! Obrigado
submitted by Young_Gouda to lisboa [link] [comments]

Cancel Culture está mais para Cancer Culture

Vocês conhecem a história: alguém erra. Uma falha genuína ou não.
Algum militante é evocado pelos poderes das trevas, carente por aceitação, conjura um tweet lacrador e tá pronto o exposed.
O que importa é a narrativa. Tendo boas ou más intenções, o dano está feito.
O resultado? O cancelado perde patrocínio, emprego, noivado e às vezes se suicida (!)
Concordo que algumas pessoas extrapolam o aceitável, mas esse linchamento virtual é totalmente raso.
Se existe algum problema com a pessoa x, denuncie às autoridades competentes. Essa é a melhor forma de resolver.
Agora, o que vejo nas arenas (Twitter, Facebook, Instagram) são os gladiadores (usuários) destilando ódio a fim de preencher seu vazio.
Nessa virtualização do Narciso em cada perfil anônimo, é necessário "hitar" -- atrair muita gente para o seu post, a fim de que seu ego seja bonificado com cada like, comentário, RT.
E como no experimento de Pavlov com os cachorros, o usuário sente na obrigação de que cada post seja uma descarga de dopamina ao seu cérebro.
Não é à toa que um ex-executivo do Facebook acredita que as redes sociais estão destruindo como a sociedade funciona.
Nesse condicionamento de ter que validar qualquer coisa que posto para que passe pelo crivo social e ganhe meus 15 min de fama cria uma geração de frustrados.
Não só para quem é cancelado, mas para os revolucionários-de-sofá que acreditam que curtidas/comentários/compartilhamentos revelam quão bonzinho, popular você é.
E nem vou me adentrar naqueles que buscam reescrever a história. Fatos não ligam para sentimentos. A história está aí para provar quão longe o ser humano pode chegar. E para que ela sirva de lição. Não se maquia o passado para que se sinta bem.
Porém, entenda: minha crítica/desabafo não se resume a militantes desocupados, minha observação é ao sistema como um todo. Tais usuários são apenas o produto de uma matriz fundada em areia.
Redes sociais são programadas para viciar. Basta uma fagulha de polêmica e a pólvora da ira se acende no pavio de raivozinhos anônimos.
E eu não espero que essa cultura vai sair de cena.
Humanos sempre gostaram de jogar pedras.
O problema é que as redes sociais propulsionaram essa luta de egos a um nível nunca visto.
Meu único antídoto para isso é usar capacete para proteger sua saúde mental. Diminuir o uso de Instagram, Facebook. E jamais entrar no Twitter.
Não duvido de que daqui algum tempo algum estudo indique que tweetar diminui o QI.
submitted by aminduim to desabafos [link] [comments]

Comprar SSD e pente de memória de site Chinês é uma boa ideia?

Eu tava querendo dar uma melhorada no meu notebook com um SSD e com um pente de memória e pela minha busca rápida que eu fiz vi que com o preço que pagaria em um deles no Brasil, consigo comprar os dois na China. Não tenho pressa, então a espera não é um problema pra mim. Alguém já comprou e teve boas ou más experiências?
submitted by Just_a_dude92 to brasil [link] [comments]

Qual é a sua história de amor?

Oi! Sou nova aqui no reddit, ainda estou a aprender como tudo isto funciona mas posso dizer que estou a gostar muito. Parece que aqui falam de tudo sem sentirem vergonha ou medo.
E sobre o título...
O mundo está um caos. As pessoas estão a perder a esperança na vida, no amor...Eu queria muito poder acreditar no amor nos dias de hoje mas sou o tipo de pessoa que pensa demais. Não deixo fluir quando o assunto é a minha vida amorosa (uma vida amorosa inexistente). Ora tenho esperança que um dia possa viver um amor, ora digo para mim mesma que sou uma idiota por acreditar nisso pois me sinto insuficiente para estar com alguém. E sim, já sei que antes de querer amar alguém, tenho que ter amor próprio, mas duvido muito que todas as pessoas que amaram de facto tenham começado o relacionamento com 100% de confiança em si mesmo.
No entanto, gostaria de ler sobre a tua história de amor. Quer seja uma história boa ou má. Apenas uma história real. Um amor que te marcou muito. Como se conheceram? O que aprenderam com esse amor? Vivenciaram a intensidade que tanto descrevem nos filmes/livros? Ainda estão juntos?
Ler histórias de pessoas reais dá esperança para os solteiros 😂
submitted by sheisice to desabafos [link] [comments]

#005 - Primeiro diálogo, o crítico parte 4

O Visitante. — Falais do exame dos livros em geral; acreditais que seja materialmente possível a um jornalista ler e estudar todos os que lhe passam pelas mãos, sobretudo quando se ocupam com teorias novas, que lhe seria preciso aprofundar e verificar? Seria o mesmo que exigir de um impressor que ele lesse todas as obras saídas de sua impressora.
A. K. A tão judicioso raciocínio não tenho outra resposta a dar senão que, quando nos falta o tempo para fazer conscienciosamente uma coisa, é melhor não fazê-la; é preferível produzir um só trabalho bom a fazer dez ruins.
O Visitante. — Não julgueis, senhor, que minha opinião se tenha formado levianamente; vi mesas girarem e produzirem sons; vi pessoas que supunham escrever sob a influência dos Espíritos; estou, porém, convencido de que em tudo isso só havia charlatanismo.
A. K. Quanto pagastes para ver essas coisas?
O Visitante. — Absolutamente nada, garanto.
A. K. Ora, aí tendes charlatães de uma espécie singular, que vão reabilitar o nome da sua classe. Até hoje ainda não se tinha visto charlatães desinteressados. Pelo fato de um gaiato se ter divertido assim, não se segue que as outras pessoas presentes hajam pactuado com ele. Aliás, com que fim elas se fariam cúmplices de uma mistificação? Para divertir a sociedade, direis… Concordo em que elas se prestassem alguma vez a tal brincadeira; quando, porém, essa brincadeira dura meses e anos, creio que o mistificado é o próprio mistificador. Será crível que, só pelo prazer de fazer que acreditem em uma coisa que ele sabe ser falsa, alguém vá passar horas inteiras à volta de uma mesa? Tal prazer não valeria a pena.
Antes de julgar isso uma fraude, é preciso, primeiro, indagar que interesse havia em enganar. Ora, não deixareis de convir que há situações que excluem toda suspeita de embuste; pessoas cujo caráter já é uma garantia de probidade.
Outro tanto não se daria se se tratasse de uma especulação, porque a tentação do ganho é má conselheira. Mas, admitindo mesmo que, neste último caso, ficasse bem comprovado uma manobra fraudulenta, isto não provaria coisa alguma contra a realidade do princípio, já que se pode abusar de tudo. Por vender-se vinho falsificado, não se deve concluir que não existe vinho puro. O Espiritismo não é mais responsável pelos atos daqueles que abusam e exploram o seu nome do que o é a ciência médica pelos atos dos charlatães que vendem suas drogas, ou a religião pelas ações dos maus sacerdotes, que corrompem o seu ministério.
Por sua novidade e mesmo por sua natureza, o Espiritismo se presta a abusos; ele, porém, fornece os meios para que os reconheçam, definindo claramente seu verdadeiro caráter e recusando toda solidariedade com aqueles que o explorassem ou desviassem do seu fim exclusivamente moral, para transformá-lo em meio de vida, em instrumento de adivinhação ou de investigações fúteis.
Considerando-se que o próprio Espiritismo traça os limites em que se encerra, define o que pode ou não dizer ou fazer, o que está ou não em suas atribuições, que aceita e o que repudia, toda falta recai sobre aqueles que, não se dando ao trabalho de estudá-lo, o julgam pelas aparências e que, por terem encontrado saltimbancos adornando-se sob o nome de espíritas, para atrair as pessoas, dizem com gravidade: eis o que é o Espiritismo. Sobre quem, afinal, cairá o ridículo? Não será sobre o saltimbanco, que usa do seu oficio nem sobre o Espiritismo, cuja doutrina escrita desmente tais asserções, mas sobre os críticos, que falam do que não sabem ou deturpam conscientemente a verdade. Aqueles que atribuem ao Espiritismo o que é contrário à sua essência fazem-no por ignorância ou má intenção; no primeiro caso há leviandade, no segundo, má-fé. Neste último caso, eles se assemelham a certos historiadores que, no interesse de sustentar um partido ou uma opinião, alteram os fatos históricos. Um partido que usa de tais meios fica desacreditado e não consegue o seu objetivo.
Notai bem, cavalheiro, que eu não pretendo que a crítica deva necessariamente aprovar nossas ideias, mesmo depois de as haver estudado; não criticamos de forma alguma aqueles que não pensam como nós. O que é evidente para nós pode não ser para vós outros; cada qual julga as coisas sob o seu ponto de vista, e do fato mais positivo nem todos tiram as mesmas consequências. Se um pintor, por exemplo, figura em seu quadro um cavalo branco, não faltará quem diga que essa cor não lhe fica bem, que a cor negra conviria mais, e nisto não cometerá erro; errará, porém, se, vendo que o cavalo é branco, afirmar que é negro. É o que faz a maioria dos nossos adversários.
Em resumo, senhor, todos têm inteira liberdade para aprovar ou censurar os princípios do Espiritismo, para deduzir deles as consequências boas ou más que lhes aprouver, porém a consciência impõe a todo crítico sério a obrigação de não dizer o contrário do que ele sabe que é. Ora, para isso, a primeira condição é ele não falar do que não conhece.
submitted by assis96 to Espiritismo [link] [comments]

#004 - Primeiro diálogo, o crítico parte 3

O Visitante. — Então, segundo o vosso entendimento, a crítica para nada serve, a opinião pública não vale coisa alguma?
A. K. Não considero a crítica como expressão da opinião pública, mas como juízo individual, que bem pode enganar-se. Lede a História e vereis quantos trabalhos importantes foram criticados, ao aparecer, sem que isso os excluísse do número das grandes obras; mas, quando uma coisa é má, não há elogio que a torne boa. Se o Espiritismo é uma falsidade, ele cairá por si mesmo; se, porém, é uma verdade, não há diatribe que possa fazer dele uma mentira. Vosso livro será uma apreciação pessoal, a refletir o vosso ponto de vista; a verdadeira opinião pública decidirá se julgastes com acerto. Procurarão examinar. Se, mais tarde, reconhecerem que vos enganastes, vosso livro se tornará ridículo como os que, até bem pouco tempo, foram publicados contra as teorias da circulação do sangue, da vacina, etc.
Esquecia-me, porém, de que íeis tratar a questão ex professo, o que equivale a dizer que a estudastes sobre todos os seus aspectos; que vistes tudo o que se pode ver, lestes tudo o que se tem escrito sobre a matéria, analisastes e comparastes as diversas opiniões; que vos achastes nas melhores condições de observação pessoal; que durante anos lhe consagrastes as vossas vigílias; em suma: que nada desprezastes para chegar à constatação da verdade. Devo crer que assim aconteceu, se sois um homem sério, porque somente aquele que fez tudo isso tem o direito de dizer que fala com conhecimento de causa. Que juízo formaríeis de um homem que se arvorasse em censor de uma obra literária ou de um quadro, embora não conhecesse a literatura, nem houvesse estudado a pintura? É de lógica elementar que o crítico conheça, não superficialmente, mas a fundo, aquilo de que fala, sem o que a sua opinião não terá valor algum.
Para combater um cálculo é preciso que se lhe oponha outro cálculo, o que exige saber calcular. O crítico não deve limitar-se a dizer que tal coisa é boa ou má; é preciso que justifique a própria opinião por meio de uma demonstração clara e categórica, baseada sobre os princípios da arte ou da ciência a que pertence o objeto da crítica. Como poderá fazê-lo se ignora esses princípios? Podereis apreciar as qualidades ou os defeitos de determinada máquina se não conheceis a mecânica? Não! Pois bem: o vosso juízo acerca do Espiritismo, que, aliás, não conheceis, não teria mais valor do que a opinião que emitísseis sobre a aludida máquina. A cada passo seríeis apanhado em flagrante delito de ignorância, porque aqueles que têm estudado a matéria logo verão que a desconheceis, concluindo, por conseguinte, que não sois um homem sério ou que agis de má-fé. Quer num caso, quer noutro, arriscai-vos a receber desmentido pouco lisonjeiro ao vosso amor-próprio.
O Visitante. — É justamente para evitar esse perigo que vim pedir-vos permissão para assistir a algumas experiências.
A. K. E julgais que isto vos baste para poder, ex professo, falar de Espiritismo? Como poderíeis compreender essas experiências e, com mais forte razão, julgá-las, se ainda não estudastes os princípios em que elas se baseiam? Como poderíeis apreciar o resultado, satisfatório ou não, de ensaios metalúrgicos, por exemplo, não conhecendo a fundo metalurgia? Permiti-me dizer-vos, senhor, que vosso projeto é absolutamente a mesma coisa que, não tendo estudado Matemática nem Astronomia, vos apresentásseis a um dos membros do Observatório, dizendo-lhe; “Senhor, quero escrever um livro sobre Astronomia e provar que o vosso sistema é falso; mas, como desconheço os menores rudimentos dessa ciência, deixai que, por uma ou duas vezes, eu me sirva de vossa luneta, o que me bastará para ficar sabendo tanto quanto vós”.
É somente por extensão de sentido que a palavra criticar se tornou sinônima de censurar, em sua acepção própria e segundo a etimologia, ela significa julgar, apreciar. A crítica pode, pois, ser aprovativa ou desaprovativa. Fazer a crítica de um livro não é necessariamente condená-lo; quem empreende essa tarefa deve fazê-lo sem ideias preconcebidas; porém, se antes de abrir o livro, já o condena em pensamento, o exame não pode ser imparcial.
Este é o caso da maioria dos que têm falado contra o Espiritismo. Formaram uma opinião apenas sobre o nome, fazendo qual juiz que proferisse uma sentença sem antes examinar as peças do processo. Tal julgamento é, por conseguinte, inteiramente falso e, em vez de convencer, tem provocado riso. Quanto às pessoas que estudaram seriamente a questão, a maior parte mudou de ideia, e mais de um adversário se tem tornado adepto do Espiritismo, ao reconhecer que o seu objetivo é muito diferente daquele que imaginava.
submitted by assis96 to Espiritismo [link] [comments]

A polarização é somente formação reativa do ego?

Polarizar as pessoas em dois grupos, na maioria das vezes me parece irreal. Eis uma lista das mais comuns e os porquês:
-Pessoas bem resolvidas e mal resolvidas ( polarização irreal porque o que existem são pessoas problemáticas que admitem essa realidade e as problemáticas que se fazem de fortes para momentaneamente se sentirem melhores diante de sua realidade se declarando bem resolvidas. É apenas isso );
-Direita como representante do bem e esquerda como representante de tudo que há de ruim : é simplesmente o que a psicologia chama de clivagem, que é um mecanismo de defesa da mente onde ela divide as pessoas em boas ou más, para não admitir que o ser humano é ambivalente e nunca 100 por cento uma única coisa;
-Fracassados ou bem sucedidos : este é clássico! Não faz sentido porque o fracasso e o sucesso em todas as áreas , muito, mas muito dificilmente mesmo , é absoluto. É incrível como as pessoas são ambivalentes e temem reconhecer isso se rotulando. Quer a prova disso? Quantas vezes você desejou algo e quando finalmente conseguiu, se frustrou e não se sentiu preenchido? Isso ocorre porque o que você queria era a IDEIA do desejo, e não o desejo real em si! E, na psicanálise Lacaniana, sempre nos sentiremos insatisfeitos porque anamorfizamos o desejo real em nossa mente, superiorizando ele como de fato ele é. E se sempre nos sentimos insatisfeitos, isso significa que sempre transitaremos entre a dor de desejar o inalcançável e o tédio de possuir o que já alcançamos. Não consigo ver alguém bem sucedido nesse cenário
submitted by fabio561 to Filosofia [link] [comments]

CABIDE DE PAU

Todo garoto passa por essa experiência na vida, é um dos momentos importantes que garantem que ele poderá se desenvolver e virar um verdadeiro homem. O jovem sai do banho, relaxado, sereno, depois de sua ducha Corona lhe garantir o melhor dos fluxos de água quente. Começa, pois, a atritar a toalha, de boa ou má qualidade não interessa, contra seu corpo nu. Inevitavelmente a passa por seu pênis, que neste dia em especial, em que não foi exercitado durante o banho, está levemente crescido. Vem então, de súbito, uma ideia, algo que nunca antes o perturbara, mas que agora é o centro total de todo o pensamento consciente deste, por ora, garoto. Ele diz a si mesmo: "SERÁ QUE EU CONSIGO PENDURAR ESSA TOALHA NO MEU PAU?" Dúvida cruel! Logo será sanada. Ele começa, pois, de leve, uma massagem erótica, acaricia suavemente a glande. Ele hesita, tem receio da descoberta que irá fazer, o eterno medo do desconhecido! Mas ele há de continuar, ele há de levar o ato até o fim e descobrir algo que mudará para sempre sua vida. O pênis está ereto, como tantas vezes já esteve o velho guerreiro. Agora é a hora, não há retorno. O nosso garoto põe, com cuidado e prudência, a prudência que acompanha o relacionamento do homem sábio com seu órgão, a toalha sobre seu pênis. O estupor é instantâneo. Eis o momento do triunfo! Eis o momento da glória! Sim! Sim, ele pode! Ele pode sustentar uma toalha com seu pênis! O jovem aproveita seu momento, ele conseguiu. É um feito que guardará para si, mas guardará com carinho e toda vez que acessar seu palácio de memória e adentrar o cômodo que lhe guarda este momento ele sorrirá, como sorriu neste dia. Sua vida não é mais a mesma, sua relação com seu velho e eterno companheiro de batalhas não é mais a mesma. Seu futuro é muito mais belo agora. Ele avança mais um degrau na longa escadaria da maturidade, que ainda passa pela sua primeira vitória na canastra, primeira relação comercial-sexual com uma mulher com pênis e primeira passagem pela polícia por tráfico de cola de sapateiro, mas um degrau é um degrau e este é importante. Homens, lembrem-se de cuidar de seus pênis. Eles são vossos irmãos e ao mesmo tempo parte vossa. Lembrem-se sempre do apotegma dos antigos: "O verdadeiro melhor amigo do homem é o pinto, porque mesmo depois de morto nunca deixa de o acompanhar" A você, caro Jeca, que me aguentou até este ponto, espero que tua leitura tenha sido tão proveitosa para ti como para mim foi comer o cu de quem tá lendo
submitted by Martinelli786 to circojeca [link] [comments]

Conversa Sexual

Um tópico para falar de sexo: aquela queca que não passou por aqui, aquela queca muito boa com o teu cão na quarta à noite, aquela queca que não vos sai da cabeça, ou aquela queca boa ou má que se passou durante a semana.
Os mais intelectuais podem também discutir livros, história, exposições, museus, cinema ou outro tipo de arte da queca.
submitted by viper_in_the_grass to portugal [link] [comments]

Podem explicar a um português como está a ser a presidência do Bolsonaro?

Olá Brazil! Sou um jovem Português de 20 anos e vivo no Porto, uma das maiores cidades portuguesas. Como qualquer outra pessoa que vive aqui, estou chocado com o número de brasileiros que cá vive. Sem brincadeira, parece que fomos invadidos. Em minha casa é normal termos discussões sobre o que se passa no mundo. O Brazil surge como tópico de debate em várias ocasiões. O problema é que, e isto é um facto, nenhum de nós sabe como é a vida no Brazil, nenhum de nós apoia os seus argumentos com evidências factuais. Vocês sabem, típica discussão em família. Quando o Bolsonaro foi eleito, quando tivemos um jantar de família, o meu irmão mais velho argumentou que o Bolsonaro ia limpar o país de crime e corrupção. Ele gosta de dizer que o vosso país não tem solução e que o Bolsonaro tem razão quando diz que é com violência que se vai resolver a violência. A minha mãe tem uma visão mais otimista, ela detesta o Bolsonaro e acredita que a solução para o Brazil é melhorar a educação dos cidadãos. A minha mãe diz que a razão pela qual temos tantos brasileiros aqui é porque eles vêm para cá para fugir do Bolsonaro. O meu irmão diz que quando fala com brasileiros eles dizem que não gostam do Bolsonaro mas dizem que ele é a pessoa certa para "arranjar" o Brazil. No final das discussões ninguém muda de opinião, eu tento procurar na internet a verdade mas a maior parte das coisas que encontro são artigos americanos a criticar o Bolsonaro pela desflorestação. Eu sei que o meu irmão mais velho está errado mas também sei que a minha mãe não tem o suporte factual para argumentar. Basicamente o que eu quero saber é: Como avaliam a presidência do Bolsonaro? Que grandes medidas, boas ou más, é que ele implementou? Que diferença está a ele a fazer no crime e/ou na educação? Eu peço desculpa se isto é pedir demasiado, como qualquer outro português sou demasiado preguiçoso para procurar extensivamente na net mas não o suficiente para escrever este post.
TL;DR: Como avaliam presidência do Bolsonaro? Que grandes medidas, boas ou más, é que ele implementou? Que diferença está a ele a fazer no crime e/ou na educação?
submitted by Apmagalhaes to brasil [link] [comments]

Quero sair de casa!!!

Não suporto mais morar com a minha mãe. Ela é do tipo de gente egocêntrica aonde acredita que todas as circunstâncias precisam necessariamente girar em torno dela, fora outros grandes defeitos.
Um amigo meu tem planos de dividir um AP com alguém, pretendo entrar nessa. Alguns dados sobre mim:
Tenho 20 anos, renda mensal de 1,5k, tenho habilitação mas não veículo, sou formado e exerço a função.
Vocês poderiam me aconselhar se isso seria uma boa ou má ideia? Tenho receio de me arrepender depois, porque acho que não teria mais volta
submitted by Periscleidiosvaldo to desabafos [link] [comments]

boas ou mas noticias? - YouTube Afinal, as MÚLTIPLAS são 🤑 BOAS ou MÁS 😈? - YouTube FONTES - MARCAS BOAS (OU MÁS) - YouTube TOP: Las 5 Serpientes Más GRANDES Del Mundo - YouTube Poso ser má mas boa ou má estão sempre a lado - YouTube

Com sua parábola, Jesus nos mostrou que as pessoas são boas ou más devido aos relacionamentos que estabelecem e não a algo que lhes é inerente desde que nasceram. A religião não nos tira da nossa condição humana, pelo contrário – a religião nos faz viver plenamente a condição humana. Inibições — boas ou más? QUE são inibições? O termo é usado para indicar ampla variedade de coisas. Conforme mais comumente usado, uma inibição é uma força interior, uma idéia, hábito ou atitude que restringe a livre expressão pessoal. Diz-se também que uma inibição é a relutância de agir contrário aos princípios da pessoa. As pessoas raramente são todas boas ou más, mas muitas vezes são uma mistura de ambos e todos cometemos erros. Lynne Graham. Inserida por pensador. Adicionar à coleção. Ver imagem. As pessoas não são nem más nem nobres. Eles são como saladas, com coisas boas e coisas ruins picadas e misturadas em um molho de confusão e conflitos. Afirmou inclusive sobre um “gabinete do ódio” existente no Planalto;liderado (dizem as línguas, à essa altura não sei se boas ou más)pelo filho Carluxo que deveria estar vereando aqui na cidade maravilhosa do RJ…local para o qual foi eleito. As células do poraquê são boas ou más condutores de eletricidade justifique 2 Ver respostas leoambr52 leoambr52 Resposta: O poraquê possui células modificadas capazes de gerar eletricidade, os eletrócitos. Quando ameaçado, produz uma descarga elétrica que pode chegar a 500 volts, o suficiente para matar um homem adulto.

[index] [4721] [2999] [1933] [6720] [7193] [2770] [2283] [2428] [2397] [7372]

boas ou mas noticias? - YouTube

SUSCRÍBETE http://goo.gl/lKMLz1 TOP 5 serpientes mas grandes del mundo. Pitón Birmana Pitón Amatista Australiana Pitón Reticulada Anaconda Verde Pitón Afri... Deixem o like 👍 para me ajudaren Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Acompanha as lives: https://bit.ly/3arajpH Loja de Merch: https://loja.hatrat.pt/ Syba Sonic USB - https://amzn.to/3dhtog1 Sennheiser HD559 - https://amzn.to... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube.

http://forex-turck.mining-machines.pw